"Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14

“Ateísmo” é o tema central do 27º Curso Anual para Bispos do Brasil

Como tradicionalmente ocorre em todo mês de janeiro – desde o pastoreio do Cardeal Eugenio Sales –, a Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro abre oficialmente nesta segunda-feira, 22 de janeiro, o 27º curso anual para os bispos brasileiros que, tendo esta possibilidade, passam uma semana de estudos, oração, descanso e lazer no Centro de Estudos e Formação do Sumaré, no Rio Comprido.

O tema central do curso este ano será: “O Ateísmo – Formas atuais e desafios à evangelização”. Os conferencistas e professores internacionais e nacionais, especialistas no tema, que estarão presentes no encontro são: Monsenhor Fernando Ocáriz, Padre Rafael José Stanziona de Moraes, Professor Francesco Botturi; Frei Francisco Paton, OFM, Custódio da Terra Santa.

Em seu artigo intitulado “Ateísmo hoje”, o arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, ressaltou que o tema é muito interessante e que ajudará aos bispos, diante de um tempo de tantas contestações e dificuldades, a evangelizar, principalmente nas grandes cidades diante de um sistema de comunicação que costuma interpretar as manifestações religiosas pejorativamente.

“A Igreja, ao defender a fé em Deus e a nossa pertença a ele, não quer de modo algum tirar do homem o que lhe é devido para atribuir a Deus, o que seria uma alienação grave. Ao contrário, a Igreja quer o bem do homem. E entende que esse bem está relacionado com a abertura que todos nós temos para Deus. Desse modo, a relação com o divino, longe de mutilar o homem ou de submetê-lo a uma servidão, vem ao encontro de seu desejo mais profundo de felicidade e eternidade e o liberta para realizar-se como ser que vive na imanência e é constitutivamente aberto à transcendência”, escreveu Dom Orani.

Recordando as exortações do Papa Francisco, do Papa Emérito Bento XVI – que participou como grande conferencista na 1ª edição do Curso dos Bispos no Sumaré em 1990 – e de São João Paulo II, Cardeal Tempesta conclui seu artigo afirmando que a Igreja respeita o ser humano em sua completude.

“O humanismo integral defendido pela Igreja é uma posição que respeita o homem em todas as suas dimensões. Sem esquecer de que o homem é ser no mundo, na matéria, no tempo e na história, não nega a sua abertura para o Absoluto. Possa a Palavra da fé ajudar-nos a não tirar do nosso horizonte o que constitui a mais rica expressão do homem: a relação com Deus”, finalizou.

Dom Josafá Menezes, bispo da Diocese de Barreiras, participa do encontro.

 

Fonte: Arquidiocese do Rio de Janeiro
Voltar