Papa explica a Semana Santa: Com a Páscoa o cristão se transforma em alguém novo

Papa Francisco fala sobre o Tríduo Pascal; os três dias chaves da Semana Santa, que “marcam as etapas fundamentais de nossa fé e de nossa vocação no mundo”.

“Todos os cristãos são chamados a viver estes três dias santos como, por assim dizer, a ‘matriz’ de sua vida pessoa e comunitária”, explicou.

“Estes três dias repropõem ao povo cristão os grandes eventos da salvação realizados por Cristo, e assim o projetamos no horizonte de seu destino futuro e o reforçam em seu compromisso de testemunho na história”.

Francisco explicou que, na manhã de Páscoa, “o canto da Sequência fará ouvir solenemente o anúncio da ressurreição”. Palavras que contêm “um anúncio de alegria e de esperança, mas também um apelo à responsabilidade e à missão”.

“Este anúncio é o centro de nossa fé e da nossa esperança, é o kerigma que continuamente evangeliza a Igreja e que, por sua vez, é enviada a evangelizar”.

Também recordou que “pelo Batismo, de fato, somos renascidos com Jesus e morrermos para as coisas e a lógica do mundo. Somos renascidos como criaturas novas: uma realidade que pede tornar-se existência concreta dia a dia”.

O Papa acrescentou que “um cristão, se verdadeiramente deixa-se lavar por Cristo, se verdadeiramente deixa-se despojar por Ele do homem velho para caminhar em uma vida nova, mesmo permanecendo pecador – porque todos o somos – não pode ser corrupto; não pode mais viver com a morte na alma, nem ser causa de morte”.

Neste sentido, sublinhou que “o próximo, sobretudo o menor e mais sofredor, torna-se a face concreta à qual doar o amor que Jesus nos doou”.

“O mundo se transforma no espaço de nossa vida de ressuscitado. De pé, e com a cabeça erguida, podemos compartilhar a humilhação daqueles que ainda hoje, como Jesus, estão no sofrimento, na nudez, na necessidade, na solidão, na morte, para ser, garças a Ele e com Ele, instrumento de resgate e de esperança, sinais de vida e de ressurreição”.

O Papa convidou a se preparar para estes três dias e “estar sempre mais profundamente inseridos no mistério de Cristo, morto e ressuscitado por nós”. “Que a Virgem nos obtenha a graça de estarmos interiormente envolvidos pelas celebrações dos próximos dias, para que o nosso coração e a nossa vida sejam realmente transformados por elas”.

Fonte: Acidigital

Voltar